domingo, 2 de dezembro de 2012

A Unicidade do Ser


Final de semana totalmente ocupado. Aplicação da prova do Enem. Foi interessante demais, e não diferente do que normalmente ocorre, lá estava eu filosofando internamente e analisando os comportamentos dos candidatos.
Incrível como cada ser humano é diferente um do outro, alguns com olhares velozes e curiosos, outros com certa intimidação, alguns mais com certo deboche desleixado, milhares de personalidades, perceptíveis e alvejadas pela minha consciência.
Detalhista como sou, defini rápido cada um, me surpreendi com uma menina, magra, pequena de óculos, com aquele tipo de voz que parece ser para dentro de tão baixo volume. Mas a medida que a prova começou a acontecer, me impressionei pelo perfeccionismo de leitura textual, pelo afinco na resolução de fórmulas da mesma.
No domingo ainda continuaram as admirações, a maneira que ela produziu a dissertação foi demais, na verdade um empenho que eu não faria, ela separou todo o corpo principal do tema sugestivo em tópicos, e dali fez toda a formulação dissertativa. Ficou muito bom, talvez o melhor da sala. Fico feliz quando vejo pessoas assim, empenhadas, animadas, motivadas. Pessoas que levam a vida como algo a ser vencido, desafiado e vivida ao mesmo tempo. 

Pessoas assim fazem esse mundo de desesperados e neuróticos andar.  
Minha alma regozija o fato de saber que somos seres equilibrados, vívidos e que não paramos diante de muros, e sim os escalamos somente com as mãos se for preciso. 
E há muitos companheiros que fazem exatamente isso dia após dia. 
Vencedores desconhecidos, nomes em anonimato, vidas ainda encostadas a sombra de muros.
Interessante demais ter a experiência visual daqueles jovens com comportamentos tão individuais e únicos.