quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Rapport, o vínculo


Existe um termo na qual sinto grande afinidade, pelo fato de envolver palavras como "vínculo", "união", "comunhão" etc.  
Rapport é um termo na Psicologia que serve para denominar a relação entre o Psicólogo e o Paciente, uma dentre das muitas outras teias que engoblam esse termo. No mínimo uma vez na vida, alguém já presenciou a sensação de ter um Rapport com outro alguém. Um amigo íntimo, um cônjuge, familiar. Pessoas que compartilham de mesmos gostos, gostam dos mesmos lugares, esses fatores são influenciadores no estabelecimento do Rapport.
Criar o rapport pode ser entendido como o estabelecimento de confiança, harmonia e cooperação em uma relação. Um exemplo claro que sempre dou, de um rapport estabelecido na minha vida, é com a Admn2 dessa página, Anielly. De uma forma incrível, nossas conversas se estendem por horas, onde incansáveis assuntos são abordados, sempre com idéias contribuidoras para o viver temporal, aprendizados, descobertas. Somos duas pessoas totalmente vinculadas em um mundinho de comunicação interpessoal. Definitivamente, ouve e há um rapport intenso!

É um termo que pode ser seccionado em dezenas de pilares a serem estudados. Mas quero me deter somente no que leva a um dos aspectos principais - O amor-
Na minha concepção, o Rapport é a técnica mais poderosa da relação entre o ser humano. Pois além de criar aspectos comum entre duas pessoas, existe outra palavrinha envolvente, que nos dias de hoje não se é muito prezada -Confiança-
O fato de receber permissão para entrarmos no mundo de outro alguém, é algo de extrema responsabilidade e de um valor incalculável. Sabendo que podemos ser meios de influência na vida do "alguém" que nos cedeu espaço, e exatamente ai é que entra o AMOR
Amor no sentido humanista, de ajuda, de apoio, estar ao lado. Se hoje em dia tivéssemos a consideração de tomarmos a empatia como aliada e poder estabelecer esse vínculo tremendo com mais intensidade, estaríamos sem dúvida nenhuma, podendo ajudar tantas pessoas que se encontram em depressões angustiantes e dolorosas. 
Sei que não depende somente de nós para estabelecer o Rapport, mas existe várias formas de fazermos com que isso seja gerado, existem métodos e maneiras. 
Um deles é chamado de "espelhamento"! Espelhar consiste em reproduzir o discurso corporal do outro, de forma sensível, elegante e discreta, permitindo-se ser conduzido por ele, como numa dança. É possível espelhar seus movimentos corporais, sua respiração, bem como gestos leves e inconscientes. Fazendo isso, estaremos nos vínculando ao outro ser de forma harmoniosa e sem pressões. Hoje em dia vejo um individualismo enorme em relação a escolhas, em querer, em gostar. 
Ninguém se importa em ceder seu espaço para o próximo, em dar uma atenção, nem que seja mínima ao outro ser humano. Estamos presos ao nosso mundinho, aos nossos laços, a nossa hipocrisia, e muitas são as vezes que a oportunidade de dispensar amor se colocam em nossa vida. Por quê não fazemos? Sabem por quê?Por quê os outros não importam.
Por quê tenho que cuidar da minha árvore, dos meus frutos, das minhas folhas, das minhas raízes, se chover somente no meu jardim, está bom. É de meu jardim que tenho que cuidar, e daquilo que diz respeito a mim que preciso zelar. O jardim do próximo? Ahh, não precisa, ele que se vire, ele que clame aos Deuses dele. 

Falta de amor não é? Falta de compaixão, de atenção, de humanidade. Falta de Rapport, vínculo, comunhão, união e amor. Jesus foi um exemplo de um Rapport ministerial que perdura até os dias de hoje. Nosso Mestre é o cara para entrar na vida dos Homens, na vida dos seres, de uma forma meiga, harmoniosa, leve, viva e intensa. Transformando, ajudando, libertando, sendo o maior Psicólogo que o mundo já viu.  
Será que não está na hora de começarmos a dispensar mais humanidade aos que estão ao nosso redor? Criar vínculos? Fazer amigos? Estar auxiliando os desorientados nessa estrada da vida? Será que não é hora de vestirmos o "Rapport" em nossa vida de uma maneira bem maior e intensa do que aquela que se encontra inserido em simples psicologias? 

07 de Dezembro de 2012 J.Gonçalves