segunda-feira, 20 de maio de 2013

O Homem


...“é” um ser de uma afetividade intensa e instável, que sorri, chora, um ser ansioso e angustiado, um ser gozador, ébrio, extático, violento, furioso, amante, um ser invadido pelo imaginário, um ser que conhece a morte, mas que não pode acreditar nela, um ser que segrega o mito e a magia, um ser possuído pelos espíritos e pelos deuses, um ser que se alimenta de ilusões e de quimeras, um ser subjectivo cujas relações com o mundo objectivo são sempre incertas, um ser sujeito ao êrro e à vagabundagem , um ser úbrico que produz desordem. (Morin, 1973, p.108). 

Esse homem multifacetado e ambíguo, cuja flexibilidade é responsável pela capacidade de reorganização da vida cotidiana, é dono de uma plasticidade que sugere sempre novas expectativas, novos domínios, novos “vir-a-ser”.


Estudando aqui sobre Identidade me deparei com esse trecho, que chamou-me atenção por ser cientifico e possuir um tom de poesia. Com alguns pontos dos quais discordo, contudo não nego que possui um imenso fundo de verdade. 
O homem é...