segunda-feira, 6 de maio de 2013

Café frio

O café está frio... Esta chovendo, vou me molhar para chegar até o carro que está estacionado do outro lado da rua... Estou com sono... Quero ganhar dinheiro sem me esforçar... Não estou com vontade de ir para a faculdade hoje... 

São tantos desabafos de insatisfação que proferimos várias e várias vezes durante o nosso dia a dia. 
Diante de um filme - INSTINTO- tive um belo e intenso insight. Insight que me levou a deixar por um momento a gaiola das ilusões. Senti a brisa da liberdade, e a pressão das mãos dos dominadores humanos diminuírem. 
Tratamos a vida como se ela nos devesse algum favor. Tratamos o mundo e seus momentos, como querendo ser seus líderes. Não percebemos que, na verdade a "vida" não nos deve nada, e sim nós somos seus eternos devedores, justamente pelo prazer de nos ter concedido a oportunidade de ter soprado seu fôlego em nossas narinas. Por isso estamos presentes existencialmente nesse exato momento do espaço-tempo. 

Reclamamos da chuva. Reclamamos do sol. Reclamamos do cansaço. Reclamamos do mal-estar diante de algum acontecimento desconfortável ou situação de medo.
Estamos de uma forma instintiva reclamando preferivelmente de tudo e todos. Não percebemos o quanto infames e mesquinhos somos com a vida. Mal alcançamos uma meta pessoal, subjetivamente imposta, e já estamos com mais dez sendo almejadas novamente. Nada contra a vontade de conquistar. Quero me referir, é na maneira e no quão dominadores tentamos nos tornar com aquela que nos deu a chance de fazer parte dela, a vida! 
Viver é ter paz mesmo diante das adversidades, ser alegre diante da situação meteorológica que nos atrapalha de chegar ao carro que esta estacionado do outro lado da rua, é sentir a liberdade quando estamos cansados e não queremos ir para a faculdade. Tudo se torna melhor quando optamos por fazer o que cada um precisa fazer por si próprio sem os desabafos de insatisfação.
Os momentos se tornam melhores, se tornam como uma pluma ao vento. 
Leve, livre, viva... 
Não deve existir pressão em escolhas, e sim intensidade de momentos. 
Requerer é perigoso. Para dominar, precisam haver seres dominadores e seres dominados. Tenho certeza que você escolherá ser o dominador. Todos se auto-entitulam os manda-chuvas de sua própria existência e dos fatores externos de seu eu. 
E o mais lindo disso tudo é que todos estão irremediavelmente errados. 
Essa classe dominada somos nós mesmos, mergulhados nas ânsias de insatisfações pessoais. Na maioria das vezes ampliamos essa dominação induzida ao nossos próximos, desprezando suas subjetividades, seus gostos e desejos, usando como arma nossa ostentação pessoal. Para eu ganhar, alguém terá que perder . Acho ridículo tudo isso. 
Com certeza nossos antepassados viviam melhores. A mil ou dez anos atrás, eles sabiam admirar a inocência da chuva, sem se preocuparem so os molhava ou não. Sabiam o poder de estender a mão ao próximo sem que os mesmos os solicitasse ajuda. Sabiam ser gratos simplesmente por viverem. Sabiam serem amigos chegados da vida! 
Infelizmente hoje os dias são outros. Achamos que que temos o poder de ser dominadores e requeredores daquela que nos deu algo que não teríamos a capacidade de existir se não fosse o dispensar de sua bondade - A VIDA-. 

Ah, mais uma coisa, meu café está frio, e estou com sono. E daí? O importante é que estou vivo, tenho uma boa visão para admirar a beleza das paisagens, possuo uma ótima audição para desfrutar das harmonias de belas músicas, tenho amigos e pessoas maravilhosas para manter minhas relações interpessoais. Respiro e sinto a ar circulando dentro de meus pulmões... 
Dane-se a frieza desse café...


J. Gonçalves, 05 de Maio de 2013. Balneário Camboriú.