segunda-feira, 13 de maio de 2013

O Amor escondeu-se

É tão estranho! É tão doloroso! É tão emocionante! É tão intenso... Acreditei que o tempo passaria e esse amor fosse diminuir. Até achei que poderia dá-lo a outro alguém. Tentei. 
Fiz isso inúmeras vezes. Dispensei-o a várias meninas, a várias personalidades, a vários self’s. Mas ainda continua aqui, tão forte e sorridente como antes. Tão radiante quanto a luz do sol no nosso primeiro amanhecer juntos. Tão misterioso quando os raios de luz da lua quando banhou nossos corações no dia em que estávamos sentados no banco de um parque qualquer. Tão mágico quando me entreguei em seus braços e ao seu corpo pela primeira vez, e pude ouvir sua respiração como uma música aos meus ouvidos. Nossa sintonia, nosso vínculo, nossa vontade, nossos sonhos, nossas vozes, nossa música, nossa vida. 
Totalmente insubstituível. 
Descobri que é incomparável e que jamais conseguirei dispensá-la a outra menina. 
A distância de tempo que passei e passo longe de nosso amor, fez com que eu tentasse escrever outra história. 
Forçou-me a tentar ver outros olhos para tentar esquecer os seus. 
Fez-me cantar canções para outro coração sendo que a canção já tinha você como exclusiva dona. Acariciei cabelos, mas... 
Mas era diferente. 
A textura não era a mesma, a maciez não era a mesma sua. 
A voz de nenhuma delas têm esse timbre maravilhoso e suave de quando te ouvi pela primeira vez cantando e fazendo minha pulsação extrapolar a normalidade, minha cabeça ficar tonta e sentir meu “eu” inundado de prazer. 
Não consegui encontrar aquela menina tímida, e mulher guerreira ao mesmo tempo. 
Daí... 
Quando vi já estava lá. Encontrando-me com você dentro de meu coração. 
Como em um espetáculo, deparei-me com nós dois dançando a luz do sol da primavera. 
Nossos olhos brilhavam. Você corria e jogava-se em meus braços segura de que eu estaria ali. 
Nossos pés passeavam em nossa própria sintonia no palco do infinito. Briguei com esse sentimento lutando dentro de mim, lutei contra essas imagens inconscientes, mas perdi. 
E me sinto derrotado ainda, pois ainda não consegui te esquecer, mas me sinto vencedor por que não só consegui não te esquecer como também descobri o que é sofrer e amar ao mesmo tempo. 
Já estou pronto. 
Peguei os pedaços de suas fotos rasgadas e as colei. 
Confesso que amo você. 
E se precisar, eu desenho, crio, pinto, invento, que eu amo você, que eu quero você. 
Só preciso que essa agonia passe, e meu coração tenha paz. Mesmo que esse sentimento fique eternamente somente em palavras e não volte a acontecer, fico feliz por que já vivi algo que é o mais intenso da vida, o amor! 
Você tem a forma exata de me ter. Eu tenho certeza que também tenho a forma exata de fazê-la ficar ao meu lado. Por enquanto a geografia nos separa. Mas um dia os parques serão nossos novamente. O sol irá irradiar nossas mãos unidas em um elo sem fim. A lua vai banhar nosso abraço, nossos corpos, nosso sentimento. Iremos ainda poder dançar no palco do espetáculo do infinito. E se nada disso acontecer, saiba que nesse instante te amo. Sou poeta, sou sozinho, sou seu romance, sou sua música, e você muito mais que isso. Acho que a melhor saída é ter de vez na minha vida. Sonhos são bonitos quando são coloridos de paixão.

“Nós livres para voar, e esse céu que hoje está tão lindo, carregado de estrelas, e a lua ta cheia refletindo o seu rosto, da um gosto de pensar, eu, você, o céu e a noite inteira para amar. E quando o sol chegar a gente ama de novo...” e de novo, de novo, de novo...

J. Gonçalves 12 de Maio de 2013 (Intensos pensamentos com J.Ane. Namoro primaveril de 2011/2012)