segunda-feira, 13 de maio de 2013

Cadê o "Algo Maravilhoso"?

Passou a vida esperando algo maravilhoso, e o único maravilhoso que passou foi a vida.
Quantos de nós tem esse desejo como objetivo? Quantos não almejam vários "algos maravilhosos" e passam a existência mergulhados nessa busca? E essa busca não é nada diferente do que nadar no Oceano  Atlântico em busca de tesouros. Impossível. A incontentabilidade humana é em proporções astronômicas e em certos aspectos assustadora. Nós mesmos somos assim. Quantas vezes nos preocupamos demasiadamente por problemas infames. Com o arranhão no carro. Em comprar roupas para estar da mesma maneira que todos andam, (na Moda como eles gostam de dizer). Passam a vida trabalhando com suas carteiras assinadas, com seus direitos e tudo mais, e o restante do dia vendendo produtos de maneira informal para "aumentarem" sua renda. A busca hoje em dia é por poder, por honra, por renome. E isso entristece qualquer alma que ama a liberdade. As vezes me acho tão impotente diante das ostentações medíocres e mesquinhas. Cedam espaço para a vida. Não substituam a vida por "coisas". Vocês nem percebem, mas estão afogando a vida em seus desvaneios complexos e passageiros. Eu infelizmente, não sou diferente desse padrão. Quantas são as vezes que deito a cabeça no travesseiro, e só penso na Universidade. Quantos são os momentos que sento-me sobre as areias brancas da praia e convulsiono-me de pensamentos preocupantes. Milhares e milhares de vezes não me permiti ir atrás de meus amores antigos para dizer que os amo. Tantas foram as vezes que decidi guardar dinheiro em vez de viajar para rever minha irmã. Nossa, não percebemos e acabamos adentrando psicológica e biológicamente nos padrões zumbificados da sociedade. Em estado de alerta sempre. A vida passa, e as coisas ficam. É hora de prestarmos atenção quando nossos amigos nos chamam para conversar. Devemos prestar mais atenção nos sinais de carência dados pelas nossas namoradas, noivas e mulheres. Precisamos intensificar a quantidade de "TE AMO" para nossas famílias. Precisamos brincar com nosso cão, dar o carinho e amor que ele dispensaria a nós se pudesse ficar sobre os dois pés. Necessitamos retirar dos guarda roupas os álbuns de fotografias e sentir a saudade preenchendo o vazio mortal de seus sentimentos. É preciso saber viver. É preciso viver. Viva, permita-se, intensifique. Meu nome é Júlio Gonçalves, tenho 208857.24 horas de vida. Um terço disso perdi dormindo. Outro terço trabalhando. E o outro... O outro não fiz nada. Meu nome será mais um daqui a 100 anos. Lembrado pela família, esquecido pelo tempo. Aconchegado nos braços da morte. E isso me entristece. O tempo passa e ainda assim esperamos algo maravilhoso. É hora de rever conceitos, priorizar mudanças e estabelecer mais e mais vínculos. Chega de esperar os "algos", vou ali viver a vida e um dia eu volto ok?
J. Gonçalves, 13 de Maio de 2013. (Nós, humanos, somos seres bem mais interessantes daquilo que normalmente parecemos ser, simplesmente sendo simples.).