quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Momentos sem essência



Chegando em casa, com a chave na mão já, passou uma menininha de uns 2 anos correndo na minha frente, passei a mão na cabecinha dela, ia atravessar a rua, os pais dela e o resto da família, na qual estavam envolvidos em política e tal, resumindo: estavam bebendo e festando desde o início da tarde.
Já eram 20:00 mais ou menos, e a menina estava atravessando a rua correndo, e uma moto a atropelou 3 segundos depois de passar por mim. Arremessou a menina uns 15 metros, ela cruzou por mim, caiu arrastando no asfalto, assim que parou de rolar, o bracinho estava para trás do corpo, a cabecinha bateu, tentou levantar e não conseguiu. Que choque me, os pais já saíram em disparada, uma gritaria, liguei para a ambulância, peguei a cabecinha dela, e virei para o lado para evitar afogamento, mas o pai veio a pegou, colocando-a assim no carro. Fazer isso é perigoso, se a cervical tivesse sido ferida, qualquer movimento a faria ela paraplégica, porém o pai meio bêbado pegou a menina e a levou para o hospital.



Daí me pergunto:Por que o ser humano busca em coisas vãs, busca momentos sem essência, momentos que não geram acréscimo a sabedoria, não geram vida. Buscam refúgio em festas, em situações tristes de aprisionamento inconsciente de suas almas, e ainda usam a desculpa de que se estressam durante a semana, e no final tem que aproveitar, mas não vejo aproveitar nada, as vezes ficam mais mal do que o stress da semana. Buscam uma alegria a curto prazo e preço alto. Sei e concordo que no momento é ótimo, mas se parassem para medir as consequências, nada é comparada a vida, nada, nada pode pagar pela nossa vida. Só houve um que fez esse favor a todos nós e que nunca mais se repetirá. Fiquei bem mal também pelo fato de ter um certo trauma de ver pessoas caídas seja qual for o motivo causador. Resumindo, suas palavras me acalmarem e me fizeram bem, passei o final de semana em Blumenau com uns amigos, porém nada de especial entende, do tipo, sozinho no meio de muitas pessoas. Na maioria das vezes estou assim, e agradeço por isso, posso pensar e ser o Júlio de verdade.

Trecho email: Julio para Anny. 11/10/12