quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Sobre os suspiros

Lendo o texto anterior me perdi entre os suspiros. 
Diante que cada motivo para suspirar, uma lembrança... e meus suspiros diários se redobraram. 
Seres humanos são dotados de emoções e peço perdão pela intensidade dos meus sentimentos, mas o que seria da vida sem o colorido da alma frente ao cinza do mundo? 
Me perguntei o por que de um texto como esse, assim como tantos outros, possuírem a capacidade de abrir janelas mentais e portas do coração para um mundo enterrado nos escombros do cotidiano.
Quem nunca sentiu o profundo toque das palavras no mais intimo do seu ser, quem nunca se arrepiou com notas musicais ou jamais sentiu os olhos encherem de lágrimas diante uma imagem denominada comum aos demais seres humanos. 
Seres humanos... 
Hoje me perguntaram o que me preocupa. Respondi: os seres humanos!
Ou os seres não tão humanos assim. Sabe do que eu estou falando? Digo, essas pessoas robóticas, programadas para funcionar como os demais. Acordam, levantam, trabalham, comem, assistem TV, são manipuladas pela mídia, algumas viciadas em internet, outras em drogas piores! 
Acham que arte é perda de tempo, espiritualidade sinal de fraqueza, psicologia coisa para loucos. 
Fico me perguntando o que essas pessoas sentem... vivem suas vidinhas medíocres sem encanto, sem brilho.  Não suspiram. Como conseguem? De que material são feitos? Shakespeare falou que somos do tecido de nossos sonhos. 
Mas e quem não sonha? É feito de que? 
Pessoas vazias me preocupam. Pessoas que pensam ser melhores e maiores, pessoas com coração de pedra e com a mente cheia de cadeados. 
Isso me faz suspirar de preocupação. Como podem existir seres humanos tão frios e tão distantes das emoções que são o combustível dos amantes da vida?
Suspiro de preocupação pensando que tem gente que não pensa, que não lê livros, que não cumpre suas promessas, que não sabe o que é amor. 
Suspiro de preocupação por achar que o mundo está perdido e por medo de me perder nesse mundo de robozinhos programados...
E no presente momento, acabei de suspirar por perceber que me preocupo demais. 
Suspirei e sorri, pois ainda não tendo soluções pra tudo isso e ainda que não conseguindo entender, nem responder essas perguntas todas, experimentei o alívio de um bom desabafo textual.