segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Gabriel - Mais uma futura mente criativa. Meu primo é pai...



Dias calmos demais, dias mansos demais. Dias que não passam... Ou talvez eu esteja com um pequeno probleminha de percepção cronológica. Meu primo é pai. Mais um organismo para desbravar esse mundo e descobrir os tesouros da vida. Mais uma evento grandioso no Cosmos, a vida sendo gerada através de outras “vidas”.
A espécie persistindo em sua sobrevivência. São momentos para se pensar. Quantas emoções e sentimentos são envolvidos em prol desse evento. Pai, mãe, avó, tios, primos. Quantos se sentem emocionados e relembram o momento que um pai segurou no colo esse que agora é pai. A mãe que segurou no colo essa que agora é mãe. A vontade de que aqueles que foram integrar o Universo de uma forma eterna (amiga morte) voltem para compartilhar esse momento. É uma gama gigantesca de memórias e expectativas. Por mais que seja tão comum o “viver” e o “morrer”, esses “seres inevitáveis” ainda causam espanto, admiração, incompreensão, surpresa, emoção, entre milhares de comportamentos emocionais e biológicos. Primos bobos, tios babões, avó cuidadosa, mostrando o quanto sabe sobre “como cuidar um recém-nascido”, pai orgulhoso, etc... 
Eventos lindos, momentos em que o próprio ser encontra (inconscientemente) no palco do Universo o verdadeiro “estar” e objetivo nessa matéria arredondada que chamamos de “terra”. Quanta projeção e projetos já sobrecarregam os pequenos ombros desse novo integrante? 
Quantos desejos e vontades já nasceram no coração dos familiares para que esse “projetinho de gente” seja ou não seja? Eu mesmo, ontem, peguei-me imaginando: 
-Quando ele ficar “maiorzinho” quero que venha me visitar. Imaginei-o pegando o ônibus, descendo na rodoviária e chegando aqui para aproveitar as férias, que nem fazíamos eu e seu pai quando as preocupações eram somente “adquirir novos brinquedos”, e saber quem era o Power Ranger Vermelho. (Risos).
–Gostaria de saber qual faculdade ele vai querer fazer, bem que poderia ser Psicologia como o Padrinho (eu no caso, muito orgulhoso disso). De qualquer forma quero ser atuante em sua escolha e ajudar a disponibilizar o bacharelado a ele.
Estou a 1.200 km, nem pude estar presente naqueles momentos que as pessoas permanecem aguardando a tão esperada notícia:
– Nasceu, está tudo bem com a mãe e o filho.
Mesmo assim peguei-me projetando situações futuras. Na verdade sei o que é isso. É emoção de uma conquista. Emoção pela conquista de meu primo. Emoção em saber que o curso normal da vida é esse, sobreviver e gerar sucessores. Porém precisamos manter a postura e consciência de que cada um existe para “si” mesmo.
Estou alegre primo. E não poderia deixar de registrar esse sentimento de emoção diante do nascimento do Gabriel. Gabriel Gonçalves. Mais um sonhador, mais um organismo que desbravará o mundo, mais um... Mais um... Sem palavras para demostrar a alegria. Parabéns Anderson, parabéns Francieli. Estou aqui para o que precisarem... E Gabriel, seja bem vindo futura mente criativa.
J.Gonçalves, 02 de setembro, B. Camboriú (Saudades constantes da família, desses momentos únicos e indispensáveis)