terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Uma carta de despedida

Não sou do tipo de gosta de adeus, mas vou aproveitar a nostalgia que me causa o final de um ano e me despedir de alguns fardos. Qual melhor maneira que escrevendo?
Preciso me despedir desse ano, que realmente não foi lá essas coisas. Houveram quatro grandes progressos, que espero levá-los comigo de 2014 em diante. E no demais, apenas me despeço da monotonia, das tristezas, do cansaço, das promessas não cumpridas e dos dias vazios. Também quero dar um tchauzinho para a dor, para as mágoas, medos, angustias e todos os pesos que foram colocados sobre meus ombros.
Já sei que quem pode fazer o ano diferente sou eu, e se quando chegar maio ou setembro eu quiser mudar de novo e começar de novo, vou ter liberdade pra isso.
Liberdade. Quero começar 2014 tendo liberdade. Liberdade de novas escolhas, de novos pensamentos, de levantar e agir sem me prender aos velhos hábitos. Essa é a resolução de ano novo mais difícil de realizar. Não quero colocar na lista de planos "ser mais responsável e organizada", pois essa é uma necessidade que ainda não desejo. Contudo, sei que no tempo certo tudo isso virá a acontecer, já aprendi a não forçar um desenvolvimento fora de tempo.
Vou colocar no topo da lista e talvez como único item: ESTAR MAIS PERTO DE DEUS.
Sei que quando estou mais perto do Papai, todas as coisas na minha vida dão certo, a alegria invade, a paz toma conta e os sorrisos nunca somem. Então resolvo hoje, que o plano é este, e assim garanto um ano muito mais que bom.